História do CNE

O CNE foi fundado a 27 de Maio de 1923, na cidade de Braga, pelos falecidos Arcebispo Primaz, D. Manuel Vieira de Matos e o seu secretário, Monsenhor Dr. Avelino Gonçalves.

Em 1922, em Roma, realizou-se o Congresso Eucarístico Internacional o que levou os dois fundadores a participarem no evento, onde assistiram a uma cerimónia onde desfilaram cerca de 20.000 Escuteiros. Ao verificarem o excelente trabalho levado a efeito pelos Escuteiros Católicos Italianos, logo se prontificaram a estender também o Movimento a Portugal.

Regressados a Braga, logo deram início aos trabalhos que culminaram com a aprovação do Governo Civil de Braga da criação do "Corpo de Scouts Católicos Portugueses".

A 14 de Fevereiro de 1925 é aprovado pelo parlamento através do Decreto nº 10589 e reconhecido em 17 de Abril de 1928 pelo Bureau Internacional, sito em Londres. Mais tarde o nome foi mudado para Corpo Nacional de Scouts e finalmente para Corpo Nacional de Escutas.

O CNE escolheu como patrono a figura gloriosa de D. Nun'Álvares Pereira que é um símbolo da identidade nacional pelo seu desempenho durante a crise de 1383-1385, em que como Condestável, protagonizou a luta em prol de D. João, Mestre de Aviz, contra as pretensões de Castela de agregar Portugal. A sua vida como homem, fez dele um herói para Portugal pelo seu génio em diversas batalhas, com preponderância na Batalha de Aljubarrota. A sua devoção cristã esteve sempre presente e após a morte da mulher dedicou a sua vida a Cristo, como Carmelita, toma o nome de Irmão Nuno de Santa Maria até à sua morte com 71 anos, tendo pelos seus actos sido canonizado pelo Papa Bento XVI a 26 de Abril de 2009.

Desde a primeira hora que o CNE cresceu com rapidez e segurança.

A Fevereiro de 1925 aparece o primeiro número da revista "Flor de Lis" e em 1926, em Aljubarrota, realiza-se o I Acampamento Nacional. Note-se que a Flor de Lis  reformulou o seu modelo de revista para o actual em 1945, sendo hoje a revista que se encontra ininterruptamente há mais tempo em funcionamento em Portugal.

Já após a fundação do CNE, o Fundador do Escutismo, Lord Baden Powell, visitou Portugal Continental por duas vezes, em 1929 e em 1934, tendo estado na Madeira em 1930.Quando em 1934 visita Portugal, num estado de saúde débil, assistiu do barco onde seguia um desfile de cerca de 2.000 Escuteiros que foram saudá-lo ao cais. É nesse ano que, como já foi referido, o termo “Escutas” substitui o termo “Scouts”, e é assim oficializado o nome CNE.

A 5 de Novembro de 1950, Junta Central transfere-se para Lisboa, e vários dirigentes deslocam-se a Londres, para fazer formação.

Entre 19 e 25 de Setembro de 1961, Lisboa recebe a Conferencia Internacional do Escutismo.

Em 1973, o CNE comemorou os 50 anos, numa cerimónia marcada por uma concentração Nacional em Braga e pelo 14º Acampamento Nacional em Leiria.

Em 1974,a Junta Central nomeada demite-se e o Conselho Nacional nomeia uma Comissão Executiva que passa a gerir o CNE. Este processo conduz à aprovação de novos estatutos, que como consequência, investem a 1ºJunta Central eleita por voto directo e que manteve como Chefe Nacional, Manuel António Velez da Costa, reeleito no cargo até 1980, através de eleições nacionais.

Em 1976, uma conclusão do Conselho Nacional admite, com condições, a admissão de jovens de sexo feminino para as várias secções.

Em 1982, uma representação dos Comités Mundial e Europeu deslocam-se a Portugal, onde entregam ao CNE e à AEP, (duas associações que constituem a FEP (Federação Escutista de Portugal), o respectivo diploma.

Em 1983, o CNE é considerado uma instituição utilidade pública.

Em 1988 é inaugurado o Centro Nacional de Formação Ambiental de S. Jacinto.

Em 1995, o CNE lança o site na internet, que é uma inspiração e local de consulta para todos os escutas.

Em 1998, O CNE comemora os 75 anos.

Desde 2007 que o CNE possui o Campo Nacional de Actividades Escutistas do CNE (CNAE), no Monte Trigo, que resulta de um protocolo celebrado entre a Câmara Municipal de Idanha-a-Nova e o Corpo Nacional de Escutas, cuja primeira grande atividade aí realizada foi o 21º Acampamento Nacional do CNE de 2007, ano do Centenário do Escutismo. Também aí decorreu o XXII ACANAC em 2012, bem com diversas atividades de grande impacto nacional, como o campeonato nacional de técnica escutista, TECOREE, uma atividade para pioneiros que aí se realiza anualmente desde 2011.

O CNE tem actualmente mais de 1000 Agrupamentos em todo o território português, com cerca de 70.000 associados, número bastante apreciável se tivermos em conta que a sua preocupação é a qualidade e não a quantidade.